Romance O chão que ela pisa de Rushdie

Romance O chão que ela pisa, a recriação da lenda grega de Orfeu e Eurídice com rock and roll, celebridades e um triângulo amoroso.

O Chão que ela pisa, romance de Ormus e Vina

R$40,00. Adquira agora o seu

É a história do indiano Ormus Cama. A grande paixão e única mulher de sua vida amorosa ganha fama como cantora de renome internacional. Ela se torna também musa inspiradora e objeto de desejo de todos os homens, inclusive do seu melhor amigo.

O chão que ela pisa. Uma complexa e brilhante recriação da lenda grega de Orfeu e Eurídice.

Como se sabe, Orfeu  era conhecido na antiguidade clássica como aquele que possuía a voz mágica e sobrenatural. E depois da morte de sua amada Eurídice, ele foi buscá-la no Hades (Inferno). Mas para tanto, uma condição lhe fora imposta: não olhar para ela antes de saírem do mundo das sombras.

Nesse livro, o autor Salman Rushdie não segue o roteiro da história original com a precisão que James Joyce trilhou a Odisséia de Homero em seu Ulisses. Mas é com o mesmo espírito de refletir a fragmentada vida contemporânea, no espelho uno da Antiguidade Clássica, que Rushdie constrói esse seu romance.

O chão que ela pisa

Tradução: José Rubens Siqueira.
São Paulo: Companhia da Letras. 1999. 575 págs.
Livro usado. Bem conservado.

Frete grátis em Presidente Prudente/SP

R$40,00

Adquira agora esse livro

Contato Lado B Livros: (18) 98100-8283
Ormus é indiano, filho de uma família rica de Bombaim. Na década de 50, adere ao chamado da modernidade que é então a emergente música de rock, tornando-se, anos depois, um músico e compositor extraordinário. Uma estrela maior do universo da música popular, nos moldes e na medida de John Lennon, talvez.

No contexto da primeira década da independência do subcontinente, o fato de  Ormus adotar o ideal de sucesso representado pelo rock significa, necessariamente, ouvir o canto da sereia daquele mundo fechado e autossuficiente das crenças e da cultura da Índia.

A grande paixão de Ormus, Vina Apsara, sua Eurídice, única mulher de sua vida amorosa, trilha também glória popular e se transforma, de menina indo-americana enjeitada e pobre, na grande deusa internacional do rock, ou mais, da cultura pop: musa inspiradora de movimentos feministas, objeto do desejo de todos os homens, incorporando traços de grandes cantoras, de Billie Holliday a Janis Joplin.

Para um autor tão profundamente mergulhado no seu tempo como Salman Rushdie, esses ingredientes já bastariam para refletir sobre a balbúrdia em que transformamos, todos nós, a vida contemporânea. Mas ele introduz um elemento complicador: o narrador da história é Rai, fotógrafo, também indiano, amigo de Ormus, e o “outro” amante de Vina.


Esse é um romance clássico, vivo, instigante e inteligente. Uma história de amor, morte e rock and roll.

O título desse livro gerou uma canção homônima que foi gravada pela banda irlandesa U2 para o lançamento do romance em 1999. A banda brasileira CPM 22 também gravou uma música inspirada no nome dessa obra.

Ormus, como Orfeu, é um mago, capaz de penetrar em outros mundos, de dominar as feras com a sua música. Num terremoto de uma série metafórica de terremotos que ameaçam eliminar a Terra, a deusa Vina é tragada para o mundo inferior, como a musa Eurídice. Do mesmo modo que Orfeu, a dupla Ormus/Rai “desce aos infernos” para resgatá-la.

O chão que ela pisa é o relato dessa busca, uma busca que é de todos nós, num romance que opera uma “descida aos infernos” da contemporaneidade. E o pano de fundo dessa narrativa é o rock and roll e a nascente indústria das celebridades.

Por que a gente gosta de cantores? Onde se esconde o poder das canções?
Talvez se origine da mera estranheza de se existir canto no mundo. A nota, a escala, o acorde, melodias, harmonias, arranjos, sinfonias, ragas, óperas chinesas, jazz, blues: o fato de essas coisas existirem, de termos descoberto os intervalos mágicos e as distâncias que produzem o pobre punhado de notas, todas ao alcance da mão humana, com as quais construímos nossas catedrais sonoras, é um mistério tão alquímico quanto a matemática, ou o vinho, ou o amor.

Salman Rushdie

Romance de Salman Rushdie. O autor nasceu em Bombaim, na Índia, em 1947.

De família muçulmana liberal e abastada, ao treze anos foi estudar na Inglaterra. Em 1968, formou-se em história no King’s College, em Cambridge. Depois de uma breve carreira de ator, dedicou-se à literatura a partir de 1971.

Salman Rushdie é também autor dos romances “Haroun e o Mar de Histórias”, “O último suspiro”, “Os Versos Satânicos” e a coletânea de contos “Oriente, Ocidente”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *