Eureca! Beatles, a chave da casa própria

Disco dos Beatles, que não está na lista oficial dos registros fonográficos do grupo, é encontrado mais de meio século depois.

Beatlemania marcou a história da música

Eles tocaram para multidões encantadas pela beatlemania

Ele foi leiloada na Inglaterra por 110 mil dólares (cerca de 400 mil reais). Trata-se de um disco demo dos Beatles, com duas faixas, que não consta na lista dos registros fonográficos oficialmente reconhecido pela banda.
Prensado em 1962, ele é considerado o primeiro Lp gravado pelo quarteto e só mais recentemente foi descoberto. A sua história é bastante peculiar, envolvendo três personagens que viveram toda aquela época inicial da carreira dos Beatles até a sua transformação num fenômeno global sem precedentes.

A primeira delas é Les Maguire que, na ocasião, era tecladista da Gerry & The Pacemakers, uma banda também de Liverpool que teve certo destaque nos idos de 1960.

Les Maguire com Guerry & The Pacemakers

Les Maguire, o 2º da direita para esquerda com Guerry & The Pacemakers

Foi esse músico quem encontrou o disco no sótão de sua casa, onde lá permaneceu esquecido embrulhado em papel por mais de cinquenta anos.
A segunda personagem é Brian Epstein, visionário genuíno que enxergou o potencial daqueles jovens integrantes dos Beatles e resolveu empresariá-los. O seu objetivo era fazer deles algo maior que o ícone Elvis Presley, uma ousada ambição vista como inalcançável para a época.

Brain Epstein junto com o grupo

Brain Epstein, ao centro, o impulso gerencial que faltava para os Beatles

Dessa forma, ele se tornou uma espécie de mentor da banda, o tipo de indivíduo que contornava as idiossincrasias de cada um de seus membros, não deixando que isso viesse atrapalhar a rota de sucesso que tinha traçado.
Com apenas 32 anos, em 1967, Epstein faleceu por overdose de medicamentos para insônia.
A trajetória desse empresário e descobridor dos Beatles é contada no livro “O Quinto Beatle: A história de Brain Epstein”, do escritor norte-americano Vivek J. Tiwary, lançado no Brasil em 2014. A sua leitura é cheia de revelações importantes acerca dos Beatles, além de ser uma grande inspiração para todos aqueles que se atrevem a acreditar em seus sonhos.
E, finalmente, a terceira personagem dessa história é o lendário produtor musical do grupo, o britânico George Martin, que também divide com Epstein o título de “O Quinto Beatle”.

George Martin ao lado da banda

George Martin e o primeiro disco de prata dos Beatles, em 1963

Ele atuou ao lado dos rapazes de Liverpool por um período de oito anos, sendo responsável pela maioria dos arranjos musicais da banda. A sua pessoa era aquela encarregada de colocar ordem no caos criativo do quarteto e dirimir as suas dúvidas técnicas, a fim de materializar as ideias musicais de cada um de forma organizada.
Com um legado que passa de 700 álbuns produzidos para vários artistas renomados ao longo de sua vida, o produtor, de 90 anos, morreu no mês de março passado devido a causas não reveladas.

Na verdade, sem Epstein e Martin, os Beatles jamais teriam conquistado o patamar que alcançaram e, tampouco, haveria a história sobre um disco de vinil que foi decisivo na ascensão retumbante do grupo no cenário musical.

O princípio de tudo remonta a 1957, em Liverpool, durante um piquenique de igreja. O adolescente Paul MacCartney conheceu John Lennon, o qual possuía uma banda formada com amigos de colégio – The Quarrymen. MacCartney é convidado a fazer parte dela, trazendo também o seu colega George Harrison que entrou um ano mais tarde.
Ringo Starr foi o último a juntar-se ao grupo, quando este já era chamado de “Beatles”, nome que fora deliberado em 1960. Apesar disso, a efetiva profissionalização de seus integrantes no meio artístico só começaria a partir do ano seguinte, depois que eles conheceram Brain Epstein.

Desde então, Epstein empreenderia uma série de tentativas na busca obstinada de conseguir um contrato com alguma gravadora, sendo recusado pela Columbia, Pye, Philips, Oriele, entre outras. Manteve contato também com alguns produtores musicais da EMI Records (Eletric and Musical Industries Ltd) – Norrie Paramor, Walter Ridley e Norman Newell – que negaram produzir gravações com os Beatles.
Ele insistiu ainda com a Decca Records, a qual lhe respondeu que banda com guitarras estava fora de moda.

Após os Beatles terem sido rejeitados por todas as grandes gravadoras do país, Epstein disse aos rapazes que gravassem um disco com duas músicas, na HMV, uma loja de discos da Oxford Street, em Londres, que tinha um pequeno estúdio onde a sua produção foi realizada.
O técnico de som, Jim Fox, gostou do material e sugeriu ao empresário da banda que procurasse por George Martin, produtor musical da Parlophone (um modesto selo subsidiado pela EMI). Epstein foi atrás dele e apresentou-lhe o Lp fabricado em acetato, de dez polegadas e 78 rotações.

No rótulo deste, Epstein havia escrito, de próprio punho, os nomes das duas faixas, mas que acabaram sendo grafados incorretamente, muito provavelmente em virtude do afã para obter um contrato com o produtor. Na música de título Hello Little Girl, o termo “Hello” foi trocado por “Hullo”, enquanto na outra cujo nome era “Till There Was You”, a palavra “Till” saiu escrita apenas como “Til”, faltando uma letra “L”.

Disco dos Beatles esquecido por mais de meio século

Disco antigo dos Beatles tido como o primeiro gravado antes da fama.

Seja como for, o fato é que a performance dos rapazes não agradou muito a Martin, avaliando-os como possuidores de um talento musical bastante tosco e limitado. “Eles eram estridentes”, “não muito afinados”, “não eram bons”, confessou (GI NOTÍCIAS, 2016). Porém, a sagacidade e a personalidade humorada deles o impressionaram, de modo que vislumbrou a possibilidade de um futuro promissor e resolveu assinar contrato com o quarteto.

Quanto às músicas do disco, elas nunca estiveram entre os hits dos Beatles que dominaram as paradas de sucesso nos anos 60. Mas isso pouco importa, pois as singularidades relatadas acima, e que marcaram o processo de suas gravações, tornaram-nas muito significativas para fãs e colecionadores.
Além disso, vale dizer que Hello Little Girl foi a primeira canção escrita por John Lennon, segundo o Portal The Beatles Bible (2010).
No que se refere à Till There Was You, ela era uma composição cover de Meridth Willson, o qual a escrevera em 1957 para o musical The Music Man. Essa música faria parte, posteriormente, dos álbuns “With the Beatles” (Reino Unido, 1963) e “Meet the Beatles” (EUA, 1964).

Abaixo, Hello Little Girl e também uma versão de Till There Was You, ao vivo, apresentada no Prince of Walles Theatre de Londres, em novembro de 1963.

 

Por causa de todas essas peculiaridades expostas até aqui, o disco leiloado se tornou um dos mais raros e cobiçados de todos os registros fonográficos dos Beatles, afirma o historiador e pesquisador americano especializado em Beatles, Mark Lewisohn, autor do livro Turne in: All These Years (2013). Ademais, acredita-se que o Lp seja único, não existindo nenhuma outra cópia na face da terra.

Em 1963, Martin devolveu o disco para Epstein, e este o entregou para Les Maguire, que acabou abandonando ele no sótão de sua casa durante todo esse tempo. Ao encontra-lo novamente, Maguire o deu de presente para a sua neta que, por sua vez, decidiu colocar o Lp em leilão com a intenção de adquirir uma casa mediante o dinheiro arrecadado.

Eu nunca fui de guardar recordações, mas muita gente o é. Não será útil para mim, por isso, resolvi doá-lo para minha neta que pretende comprar uma casa, se o disco alcançar um bom preço.”

Disse Maguile, hoje com 74 anos, numa reportagem da BBC News britânica, em fevereiro de 2016, logo após a empresa Omega Auctions, que foi responsável pelo leilão, tê-lo anunciado para o dia 22 de março passado.

O evento ocorreu em Warrington (noroeste da Inglaterra), superando todas as expectativas dos organizadores, de Les Maguire e claro de sua neta, para quem ele literalmente abriu as portas da felicidade.
Também pudera, o leilão atingiu a cifra de 110 mil dólares (cerca de 400 mil reais), o que foi um valor bem acima dos 14 mil dólares inicialmente esperados, de acordo com matéria do Portal Uol (2016).

Referências:
BBC NEWS (Departamento de jornalismo e notícias da British Broadcasting Corporation). “Holy Grail Beatles record to be auctioned“. England. Liverpool: Fevereiro, 2016.
GI NOTÍCIAS (Grupo Impacto). George Martin, o “quinto” Beatle, morre aos 90 anos. Jornal Impacto. Adamantina, SP: Março, 2016.
GQ BRASIL. (Gentlemen’s Quarterly). Gravação dos Beatles com a primeira música de John Lennon vai a leilão. Cultura. Publicação das edições Globo. São Paulo: Fevereiro, 2016.
JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO. Vinil que apresentou Beatles a George Martin é vendido por US$ 110 mil. Cultura: Música. São Paulo: Março, 2016.
PORTAL THE BEATLES BIBLE. Hello Little Girl. Reino Unido. País de Gales: Março, 2010.
PORTAL UOL. (Universo on line S/A). Disco de 78 rotações que lançou Beatles é leiloado por US$ 110 mil. Música. São Paulo: Março, 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *